A área da Saúde é muito vasta — bem sabemos. São várias as especialidades que, apesar de diferentes, se concentram em torno de um bem comum: a sua saúde e bem-estar.

Tanto os fisioterapeutas como os enfermeiros preocupam-se em prevenir, tratar ou aliviar a dor, ou desconforto, que cada paciente sente.

São profissionais igualmente responsáveis por acompanhar o processo em todas as fases, desde o diagnóstico à recuperação.

Como tal, decidimos confrontar duas das áreas mais conhecidas do Universo da Saúde: a Fisioterapia e a Enfermagem. Conheça as principais diferenças entre estas áreas antes de tomar uma decisão.

Profissional de saúde a dar a mão a uma pessoa idosa

Fisioterapia vs. Enfermagem: as principais diferenças


Para saber como escolher entre Fisioterapia e Enfermagem, é importante perceber as suas principais diferenças.

São duas áreas muito distintas, que se complementam no tratamento de pacientes em diferentes fases. Enquanto a Fisioterapia pode surgir só depois de um diagnóstico e/ou tratamento clínico, a Enfermagem acompanha o paciente desde o primeiro momento.

É óbvio que, em ambiente hospitalar, podem existir fisioterapeutas. No entanto, é muito comum que, estes, atuem numa fase posterior, em que o paciente precisa de recuperar algum tipo de capacidade motora.

Ao contrário dos enfermeiros, que acompanham os pacientes em (quase) todas as fases, marcando presença em diferentes momentos — desde o diagnóstico (e até internamento) clínico, até à sua recuperação—, o mesmo não acontece com os fisioterapeutas.

Aliás, é nessa altura que, geralmente, esses profissionais são mais procurados, sobretudo nos casos em que os pacientes têm alguma dificuldade em se movimentar. É importante explicar que, a Fisioterapia, é igualmente necessária em situações de pré e pós-parto, por exemplo, e não só em casos de lesões específicas provocadas por fatores externos.

O que fazem os fisioterapeutas?


Os fisioterapeutas atuam, normalmente, numa fase totalmente distinta da dos enfermeiros — muito associada à altura da recuperação dos pacientes.

Estes profissionais têm como objetivo melhorar (ou prevenir, em alguns casos) as disfunções motoras. Estas, por sua vez, dependem de uma série de fatores distintos — como a idade, genética ou excesso de peso.

Mas a Fisioterapia também é precisa para tratar problemas causados por fatores externos, como é o caso dos acidentes.

E é com base em diferentes tipos de tratamento que os fisioterapeutas ajudam as pessoas. Esses tratamentos podem passar por massagens, técnicas que recorram ao calor ou frio, energia elétrica ou aparelhos especiais. Os fisioterapeutas são também muito requisitados por atletas de alta competição das mais diversas áreas.

Profissional de saúde a registar dados de paciente

O que fazem os enfermeiros?


Os enfermeiros, por sua vez, acompanham os pacientes de forma mais próxima. Atuam, por isso, em diferentes fases, como a proteção, promoção e recuperação de saúde, e são igualmente precisos na prevenção de doenças. 

Em ambiente hospitalar, os enfermeiros são indispensáveis. São os profissionais responsáveis pelo acompanhamento do estado de saúde dos pacientes (sobretudo dos internados), assim como pela recolha de dados.

Os enfermeiros são também responsáveis pela execução de exercícios específicos aos pacientes que tenham essa necessidade.

Apesar de muito distintas, e de necessárias em diferentes momentos, tanto a Fisioterapia como a Enfermagem são indispensáveis para cada paciente.

A verdade é que tudo depende, também, do estado de saúde de cada pessoa. Cada uma requer cuidados diferentes, de duração igualmente diferente.

Mas, apesar de distintas, tanto a Fisioterapia como a Enfermagem têm pontos em comum. Ambas necessitam de empatia, cuidados e interesse por cada paciente.

Apoiam-se, ainda, em fatores como a boa comunicação, proatividade e atenção para poderem prestar os melhores cuidados possíveis.

São vários os pacientes que precisam da ajuda dos fisioterapeutas e enfermeiros, como são tantos os outros que precisam da ajuda de apenas um desses profissionais.

Tudo depende da gravidade do problema e do tratamento que é necessário. Por isso, é muito importante que recorra sempre a acompanhamento médico, que deve indicar-lhe qual o tratamento a seguir.